Janeiro 03 2015

Pronto, já entrou 2015. Não é agora tempo para fazer balanços políticos e económicos do ano que passou nem projeções do que está para vir (interpretar situações e tomar posições é quando um homem quiser, como o Natal). Não é por mudar o ano que as coisas mudam. Mais importante nesta época é comemorar a passagem do tempo, celebrar os afetos e afeições, renovar laços. Esta é uma quadra de suspensão dos ritmos quotidianos do trabalho e de diversão. Uma das diversões típicas desta quadra é ir ao circo. O espaço e o tempo do espanto, do riso, do encantamento. O que torna o circo diferente de outros espetáculos e diversões é a variedade. É o conjunto que conta, mais do que a qualidade dos elementos individuais (que porém importa muito, mas só para distinguir uns circos dos outros). Com o devido respeito, o circo está para os espetáculos como o cozido à portuguesa para a culinária tradicional portuguesa. Agora suponhamos (é de coisas absurdas que iremos falar) que um movimento moralista qualquer, convencido de uma suposta superioridade sobre os amantes do cozido, iniciava uma campanha para acabar com a morcela no dito, exibindo por todo o lado imagens do modo como ela é feita a partir do sangue do porco. E que as pessoas, horrorizadas, passavam a apoiar o movimento e os moralistas conseguiam impor a sua versão do cozido sem morcela. Não era o mesmo cozido, pois não? Esse tipo de cruzadas morais ainda não chegou à cozinha, mas já está a produzir mossa no circo. Os movimentos animalistas, na sua cruzada moral (que nenhum animal lhes encomendou ou pediu) destinada a impor a toda a gente o seu ponto de vista sectário,conseguiram que algumas entidades públicas, nomeadamente Câmaras Municipais, alinhassem na proibição da utilização de animais no circo. As intenções não podiam ser mais puras e consensuais: acabar com o sofrimento dos animais. O formato da campanha é o mesmo que utilizam noutros campos, nomeadamente contra a Festa de Toiros (um dia virão todas as outras festas e diversões, porque, como bem mostrava Umberto Eco em "O Nome da Rosa", o riso e a diversão são subversivos e perigosos, diria mesmo pecaminosos). Com as avultadas verbas de que dispõem, montam umas quantas imagens em que aparecem animais a sangrar, ou homens a bater em animais. Retiram-lhes todo o cenário e anulam qualquer elemento de contexto, para assim chocar as pessoas, e divulgam-nas de forma massiva em todos os meios e redes. As pessoas em geral gostam de animais e ficam sensibilizadas. Algumas até horrorizadas. Aquelas imagens chocam diretamente com o seu sentimento. Assim se geram apoios para a campanha dos ativistas que entretanto vão dizendo que preferem os animais às pessoas, que os animais são melhores do que os homens, que os homens carregam todo o mal e os animais - e os animalistas - toda a bondade. Alguns políticos convencem-se que os eleitores passam a estar contra os animais no circo e menos a gostar do circo com animais, mesmo que não possuam disso nenhuma evidência que não seja a que é servida pelo lóbi animalista. Na caça ao voto, declaram-se proibicionistas. E os cidadãos que gostam do circo com animais deixam de o poder ver. Assim, de forma totalmente arbitrária. E irracional! Repare-se que tudo se passa no plano dos sentimentos e das sensibilidades. Nem uma única vez se pede às pessoas para pensar. Pois eu, que gosta de animais - mais de uns do que de outros -, julgo que é preciso pensar, para responder a algumas perguntas. Comecemos pela mais simples: quem é que, no circo, não sofre? Não é dolorosa, feita de sacrifícios, disciplina, dor e estoicismo a preparação de trapezistas, malabaristas, equilibristas, palhaços e domadores? E sofrem em nome das pessoas que vão ao circo porque gostam. Tal como é dolorosa e feita de muito sofrimento a preparação de qualquer atleta de alta competição, para dar apenas um exemplo de um outro campo. Vamos acabar com o circo porque as pessoas que o protagonizam sofrem a preparam-se para conseguir fazer aquilo que o comum das pessoas não é capaz, razão pela qual os admiram? Vamos depois acabar com o desporto de alta competição? Onde iremos parar segundo esta lógica? Responderão os animalistas que as pessoas fazem o que fazem porque querem, porque escolheram fazê-lo, ao passo que os animais são obrigados. O que revela demagogia e uma grande contradição no discurso. Demagogia e hipocrisia na medida em que todos eles sabem que as pessoas são elas próprias e as suas circunstâncias, que as escolhas que fazem são condicionadas pela sua natureza social, pelas suas experiências, gostos e disposições que as levam a escolher fazer aquilo que é preciso ser feito. A livre-escolha é socialmente condicionada e esse condicionamento é condição da liberdade de escolher dentro de um conjunto de regras e de condições que determinam as escolhas. Quanto à contradição, deixemos antes do mais uma nota: a base filosófica dos animalistas, que suporta a sua cruzada contra as outras pessoas, é que os animais com sistema nervoso central também sentem. Mais, dizem: é uma visão errada a afirmação da sua superioridade do homem devido à posse da razão e da capacidade de julgar o bem e o mal. O que importa, segundo esta narrativa, não é a razão, mas a emoção. Assim, os direitos são iguais para todos os animais que sentem. Se assim é, porquê evocar a capacidade de julgar e escolher por parte dos domadores do circo e dos atletas de alta competição (e de muitos outros profissionais das coisas "excepcionais") para os atacar? Não deveríamos apenas julgar a sua emoção e a sua sensibilidade? De onde vem a segunda pergunta: quem disse que os domadores são mais insensíveis, menos humanos, mais violentos, menos civilizados, em média, do que os animalistas ou do que qualquer um de nós? O que eles dizem é que adoram os seus animais, cúmplices da sua vida. Aliás, também duvido que os animais do circo gostem mais dos animalistas do que dos domadores. Tudo indica que o que se passa é o contrário. Não apenas os domadores compreendem muito melhor os seus animais, sem o que não seriam capazes de os levar a fazer o que fazem, como os animalistas não os compreendem de todo. Por outras palavras, a questão não é entre pessoas que gostam e pessoas que não gostam dos animais, mas entre pessoas que toda a vida viveram com eles e pessoas que apenas tentam impôr aos outros as suas maneiras de ver. Não é por acaso que a primeira lei de proteção dos animais de que temos conhecimento foi publicada pelo governo Nazi. Pelos vistos, o monstro Hitler gostava mais de animais do que de pessoas. E era bem conhecida a sua intenção de domar todos os homens submentendo-os à sua vontade. Contra Hitler e o fascismo, eu digo: viva o circo! Uma terceira questão: porque são protegidos alguns animais e outros não? Agora dizem-nos que não podemos separar o homem dos animais pela linha da posse da razão. Somos assim todos iguais, desde que todos tenhamos sistema nervoso central. Mas, pergunta-se, e os outros animais? Qual a razão para substituir uma linha de divisão arbitrária (razão/não razão), por outra que não o é menos (emoção/não emoção)? Porque podemos envenenar melgas e formigas e outros bichos quando invadem o nosso espaço e ameaçam as nossas colheitas, e não podemos domar elefantes, tigres, macacos ou cangurus? De resto, a própria linha que estabelecem os animalistas está cheia de arbitrariedades. Desratizar uma cidade, ou combater uma praga de pombos doentes, não é exterminar animais com sistema nervoso central? Então, vamos proibir essas práticas? Até onde nos leva esta lógica animalista? E, já agora, quem disse que manter um cão fechado em casa é proporcionar-lhe bons tratos? Algum animalista é capaz de promover uma campanha sobre o sofrimento dos cães e outros animais que são mantidos, contra a sua natureza, em apartamentos na cidade? E já agora, não será o amor desses cães pelos seus donos igual ao dos animais do circo pelo seu domador? Em quarto lugar, onde nos pode levar o discurso que afirma a igualdade entre homens e animais? Na Dinamarca foi recentemente publicada uma lei que pune a prática de sexo com animais. O que mais me espanta nessa lei é o que ela revela: que o sexo com animais deverá ser prática corrente na Dinamarca. O que por sua vez me leva a acreditar que na Dinamarca se perdeu a noção da fronteira que divide a cultura e a natureza. Onde nos leva o discurso dos "animais nossos irmãos"? A rutura com a nossa condição de animais com cultura só pode conduzir a práticas típicas das bestas. Quinta questão: quanto vale uma imagem sem o seu contexto de enquadramento? Peço desde já perdão a quem não quero ofender, mas pode alguém deixar de sentir como repugnante a imagem de um homem magro, macilento, ferido de morte, nu, despojado, sangrando pregado numa cruz em que agoniza? Fora do seu contexto sagrado, que lhe dá um significado religioso, essa imagem gerará repulsa. Mas no quadro do Cristianismo é uma representação sagrada de Deus, e o que os Cristãos vêm não é um homem sangrando pregado na cruz, mas Deus oferecendo o seu filho em sacrifício pela sua Igreja. Podemos dar um exemplo com menor suscetibilidade: um bife de vaca é uma coisa suja? Para os vegetarianos, um molho de bróculos é algo repugante? Eu respondo: depende do contexto. Esse bife ou esses bróculos no prato são uma delícia, mas no meio dos lençóis, na cama onde nos deitamos, são nojentos. O mesmo se passa com a imagens de homens e animais: a apresentação de imagens isoladas e colocadas fora do contexto não são verdadeiras, são pura manipulação e demagogia. Por fim, a sexta e última questão: a quem interessa esta demagogia? E quem financia as campanhas dos animalistas? São as indústrias pet, desde os veterinários de animais de companhia até às grandes indústrias de alimentos e produtos para animais de companhia, que repetem sem descanso a mensagem de que os animais valem tanto quanto as pessoas e que tratar bem os animais é consumir os seus produtos. Mesmo que isso implique que milhares de pessoas, incluindo crianças e idosos, vivam neste mundo na mais profunda miséria, enquanto as atenções são atiradas para cima dos homens e das mulheres do circo. Ganham também, e financiam igualmente os extremistas animalistas, as indústrias culturais que vivem da antropomorfização dos animais. O maior exemplo é a megacompanhia Disney. A mensagem que passam é também a da igualdade entre homens e animais, porque os animais aparecem sempre como se fossem pessoas. Não se trata de criar uma ilusão que sabe que o é. O que fazem é passar como realidade a ilusão que criam, o que rende os biliões que rende para os bolsos dos seus acionistas e, ao mesmo tempo, assegura a dominação cultural, nomeadamente no que respeita à relação do homem com a natureza. Uma relação convenientemente distorcida, não vão as pessoas voltar a pensar com a cabeça, em vez de se deixarem inebriar com ilusões.

publicado por cafe-vila-franca às 17:17

No Café Vila Franca, como nos cafés da trilogia de Álvaro Guerra, os personagens descrevem, interpretam e debatem a pequena história quotidiana da sua terra e, com visão própria, o curso da grande história de todo o mundo.
mais sobre mim
Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO